top of page

Cubo de Competências

Atualizado: 8 de abr. de 2023


Conhecimento, Habilidade e Comportamento: O Trio da Competência


Você já deve ter desejado ser competente em algo, ser tão bom em alguma coisa que você vê resultados, talvez até o reconhecimento dos outros sobre quão eficaz você é em alguma coisa.


Mas você já se perguntou como ser competente em algo, objetivamente? Encontrar a resposta pode ser mais difícil do que parece, pois você não conhece tão bem o mundo a ponto de determinar o que faz alguém ser reconhecido por sua competência. Se você soubesse, você simplesmente faria isso acontecer, certo?


Assita no youtube: https://youtu.be/fOyhS1C3gbI

Assita no Spotify: ttps://podcasters.spotify.com/pod/show/boasperguntas/episodes/Teoria-da-Competncia-e220fb8


Certo.


O problema é que você não tem se questionado objetivamente sobre isso. A gente tem esquecido de fazer essas boas perguntas e, por isso, você tem enfrentado dificuldades em fazer algo.


Para entender como se perguntar isso, a teoria da competência nos ajuda bastante.

Essa teoria é um modelo mental para ordenar o que você deve fazer para ser competente em algo.


Ela é um modelo mental específico para questionar como ser melhor em alguma coisa, qualquer coisa. Um modelo mental, um fronema, um mindset, é uma realidade imaginada que te ajuda a entender e afetar a realidade sensível de forma específica, com os resultados que você desejar ter.


Você pode achar que entendeu o que eu quis dizer, mas saber o nome de algo não é o mesmo que entendê-lo. Eu poderia falar horas sobre isso, mas não é nosso foco ainda.


A teoria da competência


É um conjunto de três dimensões capazes de organizar o que você precisa aprender:

Conhecimento, habilidades e comportamentos, para que você se torne competente.

O conhecimento é a base, o ponto de partida.


É o que você precisa saber sobre um determinado assunto, incluindo fatos, conceitos, teorias e princípios. É importante adquirir o conhecimento relevante para a área em que você deseja ser competente. Isso pode ser obtido através de estudo, pesquisa, leitura, cursos e outras fontes de informação.


Você vai aprender a responder O que, Quem, Como Quando, Onde e Por quê aqui. Quer começar logo, compre um bom livro, nada me parece tão eficaz do que isso. A internet é cheia de distrações e opiniões, pode ser útil quando você já sabe alguma coisa, mas para começar: Livro mesmo, talvez um curso específico. Mas livro é mais barato e faz a mesma coisa.


As habilidades são a parte prática, a aplicação do conhecimento na prática. É o que você pode fazer com o que sabe. As habilidades são desenvolvidas através da prática, da repetição e do treinamento. Quanto mais você pratica, mais habilidoso você se torna em uma determinada área. Por exemplo, se você deseja ser competente em tocar um instrumento musical, você precisa não apenas aprender sobre notas e acordes (conhecimento), mas também praticar a execução do instrumento (habilidades).


Os comportamentos são os aspectos emocionais, sociais e éticos relacionados à competência. Isso inclui suas atitudes, valores, ética, habilidades de comunicação, capacidade de trabalhar em equipe, adaptabilidade, entre outros. Os comportamentos são fundamentais para o desenvolvimento de relacionamentos saudáveis, liderança eficaz, resolução de problemas e tomada de decisões adequadas.

Eles são muitas vezes negligenciados, mas são cruciais para se tornar verdadeiramente competente em qualquer área.


Para ficar mais claro: Se você passar meses estudando como um carro funciona, você vai aprender cada detalhe de motores a combustão, motores elétricos, sistemas de transmissão e sua relação com torque e velocidade, atrito, equipamentos de segurança, e por aí vai.


Mas mesmo depois disso tudo, você vai saber dirigir como o Hamilton? Não.

Porque o que o Hamilton tem é uma habilidade, que vem com treino consistente e direcionado.


Existem profissões que são muito simples em termos de conhecimento, mas densas em seus aspectos de habilidade. Um jogador de futebol, por exemplo. Você não se torna competente por saber as regras do jogo, mas por ser muito hábil no jogo.


Ou seja, saber como um carro funciona é conhecimento, saber dirigir esse carro é uma habilidade. A primeira você entende, a segunda você treina.


Bases históricas e etimológicas


É holística, ou seja, bom senso aplicado. Mas teóricos como Jean Piaget falam muito sobre isso, quando estão reforçando a ideia de evolução cognitiva das crianças, por exemplo.

Segundo sua teoria denominada "epistemologia genética", a partir do nascimento os seres humanos são submetidos a fases de desenvolvimento cognitivo, e a partir dos 11 anos em média, as crianças estão aptas a entender ideias abstratas e lógicas.


A palavra "competência" tem origem no latim "competentia", derivada do verbo "competere", que significa "ser capaz de" ou "estar apto para". "Competentia" era usada para descrever a qualidade ou estado de ser competente, ou seja, possuir habilidades, conhecimentos e capacidades necessárias para realizar uma tarefa ou cumprir uma responsabilidade específica. Com o tempo, a palavra foi adotada em várias línguas e evoluiu para seu significado atual, que se refere à habilidade, capacidade ou aptidão em uma determinada área de conhecimento, trabalho ou atividade.


Comportamentos


Aqui são as soft skills que você precisa, assim como aspectos mais sensíveis e emocionais que você precisa desenvolver.


Comportamentos são coisas como empatia, respeito, virtudes socráticas, de forma geral, e incluem como saber lidar com as pessoas, ouvindo ativamente, por exemplo.

Conhecimentos, habilidades, comportamentos.


Imagine um médico, especificamente um cirurgião cardiologista genial, inteligente e habilidoso como ninguém.


Ele passou ao menos 6 anos estudando o corpo, seu funcionamento, os problemas que podem ter por causa de doenças e que tratamento existe para elas.


Ele adquiriu conhecimento.


Ele também fez residência em algum hospital, transformando esse conhecimento em habilidades. Treinando. Transformando esse conhecimento em algo prático.


Ele passou mais 3 anos se tornando o melhor cirurgião possível, especializado em cirurgia cardiovascular. Ninguém era melhor que ele enquanto treinava com bonecos e programas, acompanhando outras cirurgias e por aí vai, até poder depois de 9 anos, se tornar um competente cirurgião, certo?


Talvez não.


O primeiro paciente chega e ele diagnostica esse paciente como alguém que precisa de Revascularização do miocárdio ou popularmente chamado de “Ponte de safena”. O paciente pergunta e ele: Dr, eu vou morrer?


Ele responde: Não sei. Devia ter se perguntado isso antes de ser um sedentário, comendo mal e fumando a vida inteira. Agora é tarde.


A pessoa então fica nervosa, a pressão sanguínea dela sobe, ela não passa no pré-operatório e acaba tendo um ataque cardíaco. O médico parecia ser o mais competente do mundo, mas não tinha os comportamentos certos para realmente ser competente.

Resumindo: Se você entender que cada uma dessas dimensões tem sua trajetória, você se tornará cada vez mais competente. Em um cubo, você sairia da origem e chegaria à aresta mais distante.


Para ir além

Você pode buscar ser competente em qualquer coisa que você realmente queira: não é algo apenas profissional.


Você pode transformar cada conhecimento, habilidade e comportamento em uma competência por si mesma.


Por exemplo: Quero ser um marido melhor, mais competente.

Para isso, eu descubro que não sei ouvir minha família como deveria.

Então passo a entender que preciso ser um ouvinte mais competente.

E para ouvir melhor, compro um livro sobre o assunto, treino ativamente ouvir as pessoas nas oportunidades que surgem e o faço com toda a atenção necessária, me importando de verdade com quem está dizendo, o que está sendo dito e como posso ajudar, mesmo que seja apenas ouvindo o que está sendo dito.


Se você busca ser reconhecido pela sua competência, então você só precisa se preocupar com uma coisa: consistência. A confiança que as pessoas vão depositar em você é enorme se você sempre agir da mesma maneira, ao menos demonstrando claramente suas intenções, e se você continuar se desenvolvendo, sendo cada vez mais competente em algo, esse reconhecimento virá.


Marketing aceleram esse processo, te permitindo aprender mais em menos tempo, mas não substitui nada. Se você não tiver consistência, vai se tornar aquele que aparece rápido e some rápido também.


Outra dica importante: Seu cérebro entende exemplos mais do que palavras, entende apenas o momento presente, não entende afirmações negativas e ações conscientes são apenas verbos. Não palavras soltas, pois apenas ações conscientes podem fazer você se desenvolver.


Chegue para um amigo e faça um joinha, levantando o polegar. Peça a ele enquanto faz o joinha que ele levante o indicador. Ele vai levantar o polegar de qualquer froma, muito provavelmente. É porque nosso cérebro entende exemplos muito melhor que ideias. Então encontre bons exemplos do que você busca se tornar.


Apenas o momento presente: Entender isso é entender que para você se tornar algo, você precisa agir como esse algo agiria no presente e não no futuro. Quer ser um empresário competente, seja hoje. Quer ser um bom marido, pai, filho, etc., seja hoje, não jogue suas intenções no futuro. Seu cérebro não vai entender. Quer que seu corpo seja mais forte, mais magro, seja hoje.


Não entende afirmações negativas: Não pense em um elefante. Não pense em um elefante rosa. Teu cérebro não é capaz de evitar pensar no elefante, porque ele não lida bem com respostas negativas. Lembre-se disso antes de afirmar a alguém, não faça tal coisa. Pode ser perigoso.


Não diga para si mesmo, não esqueça. Diga a si mesmo - lembre-se!


Esse é um bom exemplo.


Mas existem exceções: Quando não fazer algo é diferente de fazer seu oposto.


Exemplo: Não minta.


Não mentir não é o mesmo de falar sempre a verdade, porque você pode ficar em silêncio, e isso não é uma opção tão clara quanto não minta.


Por fim, lembre-se que ser algo é apenas uma realidade imaginada. Fruto de modelos mentais criados para entender e influenciar a realidade sensível. Você não é o que você pensa. O teu cérebro é apenas um órgão no seu corpo e você é mais do que seus próprios pensamentos. Bizarro, né?


Se você entendeu de verdade, vai concluir que você não é um monte de coisas. Para entender melhor essa história, eu escrevi um livro, um romance de fantasia histórica sobre Detto, um jovem que entre uma série de desventuras ganha um pincel mágico de presente, capaz de dar vida a seus desenhos, e esses desenhos buscam lhe ensinar a realizar seus maiores desejos.


O mundo muda, você muda e quando você muda, o mundo muda também. Para não entrar demais na esfera filosófica agora, a recomendação é a seguinte: Quer se tornar algo, aja de acordo. Coloque uma boa lista de ações na sua frente, positivas, presentes e que comecem com um bom verbo.


Um exemplo: Fazer uma lista de competências para ser uma pessoa melhor. Essa é difícil, né?

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page